Pular para o conteúdo principal

Sem intimidação

Sou aluno da Unicarioca (campus Rio Comprido). É desse lugar que quero me manifestar sobre as ofensas racistas recém publicadas na internet, sob anonimato, direcionadas à instituição e a um grupo específico de seus alunos, grupo no qual me incluo. O anonimato, aliás, é prática comum entre os covardes – esses, sim, justo motivo para nojo. Preciso, portanto, me apresentar.
                Meu nome é Luciano Carvalho do Nascimento. Eu sou negro, de origem pobre. Sou doutor em Literaturas (UFSC), mestre em Língua Portuguesa (UFRJ) e especialista em Leitura e Produção de Textos (UFF). Há onze anos sou professor da rede pública federal de Ensino Básico, com passagem em pelo menos duas instituições de ensino das mais respeitadas no país. Além de produção acadêmico-científica condizente com minha titulação e atuação, tenho ainda boa experiência em coordenação de projetos sociais ligados à educação de populações em situação de vulnerabilidade social.
                Pois é: sou negro, tenho um currículo bastante razoável e sou aluno da Unicarioca.
                Aliás, essa não é minha primeira estada numa instituição privada de Ensino Superior: me graduei há mais de vinte anos, numa instituição muito parecida com a que agora sofre o ataque. Fiz vestibular, fui aprovado, cursei Letras à noite. Enfrentei ônibus lotados todas as madrugadas, tanto indo para o trabalho, antes das seis da manhã, quanto voltando da faculdade, depois das onze da noite. Todos os dias, de segunda a sexta feira, durante cinco longos anos. Não foi fácil.
                E é justamente por não ter sido fácil que sei, na pele e na mente, que só esforço não é suficiente para pretos e pobres e mulheres e gays e trans e deficientes brasileiros se livrarem dos constantes e cada vez mais desavergonhados ataques “dessa gente careta e covarde” que dissemina seu ódio irracional por aí, anônima ou assumidamente. E também não uso nem admito que usem meu nome e minha trajetória (de sucesso, sim, considerando minhas idade, origem socioeconômica e cor) como argumento em favor de uma tal “meritocracia” que às vezes realça os brilhos da chegada mas sempre neglicenciando as sombras do percurso.
Meritocracia, no Brasil, é isso: um jogo de luz e sombra! Se eu consegui superar muitas contingências sociais? Sim! Não passo, portanto, de uma exceção que confirma a regra, e a regra é: a absoluta maioria de pretos e pobres e mulheres e gays e trans e deficientes brasileiros têm que matar cem leões por dia para não serem desrespeitados, silenciados, mutilados, mortos. Isso é um fato, e o ataque covarde aos alunos negros e mestiços da Unicarioca é só mais uma evidência dele.
                Só que os defensores míopes dessa tal meritocracia, inocentes ou nem tanto, deixam de lado o essencial: todas as pessoas precisam de oportunidades reais. Oportunidades de acesso à Educação, à Saúde, à Segurança, a Moradia... e à informação, à troca de experiências, à fala, à escuta... É principalmente isso que o acesso ao Ensino Superior traz de ganho para @s colegas ofendid@s pel@ covarde futur@ eleit@r do “Messias do Coisa Ruim”. Fazer um curso Superior é, ao fim e ao cabo, mais uma das muitas maneiras de se construir, de alcançar a autonomia intelectual que nos torna realmente livres. É sobretudo nisso que ess@s colegas não podem deixar de confiar, porque essa certeza é um poderoso antídoto contra o veneno com que lidamos todos os dias de nossas vidas!
                Por fim, professor que sou, não posso deixar de ver em todo esse cenário deprimente traços daquilo mesmo que há anos me move na direção de obter sempre mais instrução e formação para atuar melhor na partilha e na construção do conhecimento humano. O cenário desolador que atravessa qualquer manifestação discriminatória é mote produtivo para uma discussão desgraçadamente ainda atual: como educar as pessoas para entender, respeitar, valorizar e aprender com a diversidade? que prática pedagógica assumir a fim de tornar essas manifestações coisas só existentes no campo da memória, guardadas em algum recurso digital de forma a servirem apenas de lembranças sobre como não sermos nunca mais?
                Não tenho essas respostas. Mas, por ora, continuarei a buscar possíveis caminhos para elas junto aos alunos, alunas, professores, professoras e demais profissionais da Unicarioca.
                Sem me deixar intimidar.

Comentários


  1. Tenho muito orgulho de fazer parte dessa sua trajetória de SUCESSO!!!
    Aliás, sinto-me privilegiada por isso. Esses ataques, que têm se repetido na internet, são frutos de um grupo de covardes que se escondem na rede.
    Mas as respostas sempre vêm.
    Um forte abraço e parabéns pelo texto, que demonstra o porquê do seu sucesso.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto, que evidencia uma vivência. Seguimos em frente !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Era uma vez (ou Um conto de fodas)

Era uma vez uma senhora de idade incerta e duvidosa chamada Democracia. Uns diziam que ela era muito velha; ela, por sua vez, sempre que perguntada sorria ambígua e afirmava ainda nem ter nascido de verdade. Certo é que a Democracia já tinha tido vários casos: Tribos, Impérios... e Repúblicas também, sem problemas com o gênero de sua eventual companhia.
                Não tinha se casado com ninguém, não tinha filhos. Cansada de se entregar e ser traída, ela havia resolvido viver de momentos. Carpe diem, dizia.
                Mas – como acontece com todo mundo – um dia a Democracia se apaixonou de verdade. Achou que daquela vez seria pra sempre. Era um garotão espadaúdo de nome Mercado. Falastrão, ele repetia a toda hora que era “liberal” e esse era seu maior “mérito”.
                Chegou de mansinho, acenou, flertou, mandou flores (artificiais), chamou pra jantar, dançar, e, quando a Democracia deu por si, eles já andavam de braços dados, como se fossem amantes desde sempre. De …

"BANDEIRA BRANCA, SINAL VERMELHO"

Meu primeiro livro, "Bandeira branca, sinal vermelho", já está disponível em <Clube de autores>. É uma antologia de contos curtos, tratando de questões relacionadas às identidades.
Leia!

Caridade e violência

Em meio a assaltos, arrastões, balas perdidas, tiroteios, sequestros-relâmpago, tráfico de drogas e crimes de colarinho branco por toda parte, é bastante difícil compreender e praticar a caridade – ampla e irrestrita, como a maioria das religiões prega, aquela sem a qual espíritas e umbandistas acreditam que “não há salvação”. Ainda assim, ou justamente por isso, é importantíssimo pensar sobre o assunto de maneira lúcida, cuidadosa. Essa é a condição para fugir da simplificação tola, da incoerência e, no limite, da pura reprodução do mal.
Vivemos tempos muito difíceis, é certo. Entretanto, é engano pensar que “nunca vivemos tempos tão difíceis”, porque “antigamente a violência não era tanta”, hoje “já não se tem mais respeito por nada” e “os valores estão perdidos”... Nada disso é verdade. Quem diz isso olha só para o presente e se esquece, por exemplo, de que, no Brasil, há pouco mais de 130 anos, era legal e comum açoitar pessoas escravizadas; há 60 ou 50 anos também era comum o cas…