Pular para o conteúdo principal

Brainstorming


Na noite escura
o vento bate tuas portas e janelas
abertas.
Embarcação à deriva,
vagas pelas trevas
desperta
pelos raios e trovões
que vibram e te mantêm
alerta.

E teus olhos - vivos e singulares -
investigam o interior de tua morada,
o teu próprio,
no afã de enxergar a luz
que por fim só lá existe.

"Fiat lux!"

Finda a noite.
Chega o dia, claro, nítido,
Vivo.
Livre estás.
Em paz.
A luz foi feita, e existirá
(pelo menos) até a próxima tempestade.

Comentários

  1. E como solicitou, as palavras foram e fizeram seu papel: disseram, encantaram e representaram. Belas palavras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelos elogios, Aline! Muita gentileza de sua parte. Um abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Era uma vez (ou Um conto de fodas)

Era uma vez uma senhora de idade incerta e duvidosa chamada Democracia. Uns diziam que ela era muito velha; ela, por sua vez, sempre que perguntada sorria ambígua e afirmava ainda nem ter nascido de verdade. Certo é que a Democracia já tinha tido vários casos: Tribos, Impérios... e Repúblicas também, sem problemas com o gênero de sua eventual companhia.
                Não tinha se casado com ninguém, não tinha filhos. Cansada de se entregar e ser traída, ela havia resolvido viver de momentos. Carpe diem, dizia.
                Mas – como acontece com todo mundo – um dia a Democracia se apaixonou de verdade. Achou que daquela vez seria pra sempre. Era um garotão espadaúdo de nome Mercado. Falastrão, ele repetia a toda hora que era “liberal” e esse era seu maior “mérito”.
                Chegou de mansinho, acenou, flertou, mandou flores (artificiais), chamou pra jantar, dançar, e, quando a Democracia deu por si, eles já andavam de braços dados, como se fossem amantes desde sempre. De …

Preta, Clarinha

(Um dos contos de "Bandeira branca, sinal vermelho")                 Clarinha não percebeu quando a amiga voltou de mais uma investida mal sucedida a um motorista sozinho num carro parado naquele cruzamento da Avenida Atlântica. Apesar de cotidiana, a frustração não doía menos com o passar do tempo (“será que hoje alguém vai me amar?”). Era nesses momentos que Mellanie, nascida João Roberto, demonstrava sua fragilidade: gargalhando alheia à bigorna que lhe crescia no peito, xingando o motorista a plenos pulmões, ou, o mais frequente no fim das madrugadas, baixando a cabeça, sentando no meio-fio e chorando em silêncio.
               Clarinha nem viu a amiga se enroscar a seus pés, humilhada como um cão. Estava atônita com outro quadro. A poucos metros, amontoadas na calçada, três pessoas dormiam: um homem, uma mulher e uma criança pequena. Aparentemente uma família. Certamente uma família, porque o quadro era bem mais do que apenas familiar. A moça via ali, deitados no chão…

"BANDEIRA BRANCA, SINAL VERMELHO"

Meu primeiro livro, "Bandeira branca, sinal vermelho", já está disponível em <Clube de autores>. É uma antologia de contos curtos, tratando de questões relacionadas às identidades.
Leia!